Saiba qual o significado da imagem da Virgem Maria em cima de um carro de boi na Capital

As mais de cinco mil pessoas que já passaram pela Cidade de Maria durante 21ª Festa de Nossa Senhora da Abadia, padroeira da arquidiocese de Campo Grande, nos Altos da Avenida Afonso Pena, se depararam com a imagem de Maria Santíssima, sobre um carro de boi na entrada do evento. Mas muitos devem ter se perguntado: por que ela está ali? Pois bem, o pároco do Santuário Nossa Senhora da Abadia, padre Paulo Vital, conta pra gente esse significado.

A devoção

“A devoção a Nossa Senhora da Abadia chegou em Campo Grande pelas mãos de um dos mineiros que vieram junto com os fundadores mineiros, especialmente pelo senhor Elizeu Ramos. Estamos falando do século passado, 1905 quando, em sinal de gratidão pelas preces atendidas, principalmente por sua saúde e empreitada para se estabelecer com sua família em terras morenas”, contou o pároco.

Segundo ele, seo Ramos espalhou por toda a região essa devoção com um estandarte, se deslocando a pé ou a cavalo. Assim o fez até que, em 1912, após arrecadar os recursos com a comunidade, adquiriu a imagem da Virgem Maria de origem francesa em São Paulo – capital e a trouxe até Três Lagoas de trem. De lá, a imagem seguiu até Água Clara em lombo de burro e de Água Clara a Campo Grande em carro de boi.

Levando em conta que a distância em linha reta entre Três Lagoas e Campo Grande hoje, com toda a infraestrutura de pavimentação e acostamentos, é de 333 quilômetros, e que uma viagem de carro chega a durar quatro horas e vinte e três minutos, desperta em nós a curiosidade sobre como deve ter sido essa viagem, quanto tempo seo Elizeu demorou para chegar em Campo Grande? Estamos falando de viagens de trem, no lombo de um burro e em cima de um carro de boi, o que por si só já se caracteriza um grande milagre

O caminho

De acordo com o sacerdote que hoje dedica sua vida a devoção de Nossa Senhora da Abadia, padre Paulo, a imagem seguiu em lombo de burro, de fazenda em fazenda, até a fazenda Campo Alegre, em Água Clara, onde foi realizada uma grande recepção com terços, ladainhas, orações, louvores e refeição para mais de duzentas pessoas. Nas fazendas Bom Jardim e Pontal, armou-se um andor enfeitado com flores e se formou um verdadeiro cortejo, seguindo todos a pé a imagem no carro-de-boi. A última parada aconteceu na fazenda Aguadinha ou Rancharia, hoje região da saída para Três Lagoas, onde ainda fizeram terços e mais orações. De lá saiu para ser recepcionada com grande festa no dia 3 de agosto de 1912, para a então Comarca de Campo Grande.

A Festa da Acolhida

A imagem de Nossa Senhora da Abadia entrou com grande multidão de pessoas em procissão em Campo Grande no dia 3 de agosto de 1912, pela atual Rua Barão de Melgaço. As casas a esperavam com toalhas e flores nas janelas em meio a cânticos religiosos, banda de música e estouro de foguetes.

Os potentes “vivas” tomaram conta da emoção de todos os presentes. A Santa foi recepcionada num barracão especialmente feito pra isso na Rua 26 de Agosto, no qual se dançava a catira, como era de costume, ao som do violeiro-cantador Bento Gomes Benjamim, um mato-grossense de Santana do Paranaíba, proprietário da conhecida “Pensão Bentinho”. Além disso, havia muitas comidas típicas da época, vinho estrangeiro, sem falar na grande fogueira e nos fogos de artifício.

Entronização e Coroação

Em 9 de agosto de 1912, a imagem de Nossa Senhora da Abadia foi conduzida até a pequena e modesta Igreja de Santo Antônio de Pádua, localizada na Rua 15 de Novembro. Os festejos iniciaram e a imagem foi coroada no dia 15 de agosto, na Solenidade da Assunção, ocasião em que muitas pessoas acorreram pedindo graças e bençãos. E a presença de Nossa Senhora da Abadia prenunciava um novo tempo para Campo Grande. À época, a população da cidade era de cerca de mil e duzentos habitantes. Vivia-se um momento de certa glória e euforia, pois recentemente, em 12 de maio de 1911, havia sido criada a Comarca de Campo Grande, com a nomeação do primeiro juiz de direito.

Padroeira

O Papa Pio XII, ao instituir a Diocese de Campo Grande, desmembrando-a da Diocese de Corumbá, em 15 de junho de 1957, por meio da Bula Papal Inter Gravíssima, também instituiu Nossa Senhora, sob o título da Abadia, como Padroeira da nova Diocese. O primeiro Bispo foi Dom Antônio Barbosa, cuja ereção canônica ocorreu em 24 de maio de 1958. Atualmente, a Arquidiocese de Campo Grande é formada pela nossa Capital e pelos municípios de Ribas do Rio Pardo, Sidrolândia, Bandeirantes, Jaraguari, Corguinho, Rochedo e Terenos e pelo Distrito de Anhanduí.

Abadia Casa do Pai, intercessora das causas imobiliárias

Imagem foi entronizada no primeiro dia da festa. (Foto: Willian Kinoshita)

Observando as várias graças alcançadas por fiéis no ramo imobiliário com a compra ou a venda de imóveis que pareciam estar travados, padre Paulo formulou a Novena em homenagem a Virgem, o que tem levado muitas pessoas à essa devoção. Abadia quer dizer Casa do Pai e muitos relatos têm sido anunciados em nome dela.

Por essa e outras, o Santuário Nossa Senhora a Abadia está em festa. O que antes era Cidade do Natal agora se transformou em Cidade de Maria com os festejos em nome da padroeira que começaram no dia 3 de agosto e vão até o dia 13 com muitas opções religiosas, culturais e gastronômicas para a família, também celebrando o aniversário de 124 anos de Campo Grande, a Capital de Mato Grosso do Sul.

Vivianne Nunes

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE